Déficit de Atenção e Hiperatividade

Por mais incrível que pareça, o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) pode estar presente em uma significativa parcela de pessoas que sofrem de outros transtornos psiquiátricos, fato que contribui para piorar ainda mais o sofrimento destes pacientes. Segundo estudiosos, a prevalência de TDAH na população que sofre de outras doenças psiquiátricas (como depressão, ansiedade, transtorno bipolar) chega a 30%.

Pensa-se que, atualmente, o Déficit de Atenção é uma doença “super-diagnosticada”, com medicamentos sendo prescritos em excesso e de forma errada para nossas crianças. É claro que há, sim, o uso inadequado dos medicamentos estimulantes usados nos tratamento do TDAH (como o Metilfenidato, conhecido como Ritalina®). No entanto, percebe-se que, tanto na parcela adulta, quanto em infância e adolescência, há carência de bons diagnósticos. Ou seja, não é incomum idosos que passaram uma vida inteira sofrendo com todos os sintomas e todas as consequências nefastas do TDAH.

A clínica do Déficit de Atenção e Hiperatividade pode se apresentar de diferentes maneiras. O que se torna comum a todos os diagnósticos é a necessidade de os sintomas aparecerem em, pelo menos, dois sítios diferentes (casa, escola, etc.). Em meninas, é mais comum a apresentação desatenta (com dificuldade de focar a atenção, fato que acarreta prejuízos no aprendizado). Em meninos, é mais comum os sintomas exteriorizantes, ou seja, apresentam mais sinais de hiperatividade e impulsividade, o que acarreta prejuízos em todo o entorno social.

Muitos grupos influentes na Sociedade são contrários ao uso de medicamentos para o TDAH. No entanto, ao contrário do que diz a opinião e ideologia destes, há comprovação científica de que o tratamento por remédios é eficaz e de extrema importância. É claro que, em conjunto com o uso do medicamento, é de igual importância um tratamento multidisciplinar que leve em consideração os estresses a que são submetidas estas pessoas. Neste conjunto, estão presentes, além do tratamento psiquiátrico, o tratamento psicológico e orientação à família do paciente.

Tags: Adulto, Criança e Adolescente

Back to Top